Os desajustados de Carson McCullers

Green wind from the green-gold branches, what is the song you bring?
What are all songs for me, now, who no more care to sing?
Deep in the heart of Summer, sweet is life to me still,
But my heart is a lonely hunter that hunts on a lonely hill.

The Lonely Hunter, William Sharp

Se tem uma expressão que se desgastou a ponto de significar quase nada hoje em dia é “fulano era a frente de seu tempo”. No caso de Carson McCullers, entretanto, é um clichê que cairia muito bem. Sua sexualidade fluida é muito melhor compreendida à luz de nossos tempos do que em sua época.

Ao ler sua obra não dá pra não imaginar que o estranhamento de Carson, nascida Lula Carson Smith, em relação ao seu lugar no mundo não tenha influenciado drasticamente seus temas e predileções por “desajustados” e “esquisitos”.

Meu conselho para você é isso. Não tente ficar sozinho…
A coisa mais fatal que um homem pode fazer é tentar ficar sozinho.”

Carson Mick McCullers Kelly

E não dá pra não ver em Mick Kelly, uma figura das mais cativantes de O Coração é um Caçador Solitário, reflexos dessa mulher que não se adequava à sua situação: Mick é uma adolescente fissurada por coisas que se associam tipicamente ao universo masculino enquanto alimenta o sonho de se transformar numa grande música.

Aliás, a música tempera o romance de estreia de McCullers de forma esplendorosa. E novamente percebemos Mick incorporando claramente alguns temas biográficos: Carson estava sendo preparada para ser uma música durante a infância e a adolescência, quando as doenças que lhe mataram precocemente aos 50 anos de idade começaram a impedir sua progressão na área. É a música que rende momentos reflexivos e emocionantes através dos pensamentos da Mick numa relação controversa e cheia de contrastes.

Assim como Mick, McCullers tinha uma forte queda pelo piano

Esses contrastes ditam o ritmo do romance. Branco e preto, homem e mulher, adulto e adolescente, saúde e doença, comunismo e capitalismo – em O Coração… os dilemas de uma época da história americana dilacerada pela Crise de 1929 são retratados através de personagens solitários em uma cidadezinha típica do sul, com todos os seus problemas conhecidos, notadamente o racismo.

E assim temos os outros 4 protagonistas: o surdo boa-praça, o médico negro resignado e idealista, o dono do bar misterioso e observador e o comunista indignado e pronto pra revolução: John Singer, Benedict Copeland, Biff Brannon e Jake Blount, respectivamente.

Carson e o marido, Reeves McCullers, com quem manteve
uma relação um tanto tormentosa

Cada um a sua maneira dão vozes a conflitos sociais e psicológicos que nos afetam ainda hoje. Com uma escrita que às vezes beira até a ingenuidade, McCullers criou um universo próprio para cada um dos anti-herois do livro que, apesar de apontar para a mesma direção e vir de tipos marginalizados e apagados pela sociedade, quase nunca conseguem formar uma massa única graças às diferenças aparentemente irreconciliáveis de cada um.

Gostou? Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *